Morreu jovem que teve de abortar para começar quimioterapia

Foi às 11 semanas de gravidez que Charlotte Smith foi diagnosticada com uma leucemia linfoblástica aguda, tendo sido aconselhada a abortar para poder fazer frente à  doença.

A mulher concordou e iniciou os tratamentos de quimioterapia assim que o coração do bebé parou de bater, reporta o The Sun. Contudo, Charlotte perdeu a sua batalha contra a doença e morreu esta segunda-feira.

Antes deste desfecho, Charlotte já havia partilhado a sua história revelando que em causa estava “a sua vida ou a da criança” e que estava certa de que não queria morrer, motivo pelo qual optou por tentar curar-se.

A jovem, de 22 anos, concordou em fazer o aborto e dar início aos tratamentos, mas não antes sem fazer um ecografia para poder ver o filho pelo menos uma vez.

Mas após duas sessões de quimioterapia e um bem sucedido transplante de medula óssea, o estado de saúde da jovem piorou tragicamente e a sua melhor amiga anunciou o seu óbito esta segunda-feira nas redes sociais.