Depoimento aponta que comando da PMMA sabia de ordem para fichar oposição

O depoimento de um policial militar – tomado no bojo da sindicância aberta para apurar a expedição de memorandos determinando o monitoramento de adversários do governador Flávio Dino (PCdoB) nas eleições deste ano – aponta que, diferentemente do que tem alegado o secretário de Estado da Segurança, Jefferson Portela, a cúpula da Polícia Militar tinha conhecimento da operação.

Juarez Martins Coelho contou em oitiva, divulgada com exclusividade pela TV Mirante na noite de ontem (saiba mais), que, dias após o envio das ordens ao interior, a major Ana Paula foi cobrada pelo coronel Heron Santos para que os dados do fossem logo reunidos porque ele teria uma reunião com o coronel Pedro Ribeiro.

Ribeiro é nada menos que o subcomandante-geral da Polícia Militar do Maranhão.

Além disso, o mesmo tenente voltou a citar a Major Ana Paula ao informar que ela garantiu que o coronel Zózimo Paulino – comandante do CPI, que assina um documento, datado do dia 20 de abril, tornando sem efeito todos os memorandos emitidos anteriormente com ordens para o fichamento de oposicionistas e revelando a existência de um certo “Coordenador das Eleições de 2018” (saiba mais) – também sabia da reunião entre Heron e Pedro Ribeiro.

As revelações do oficial desmentem o secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela. Em coletiva de imprensa na quarta-feira (25), ele garantiu que a expedição dos memorandos “foi um ato ilegal tomado à revelia do Comando da instituição”.

Pelo visto, parece que havia muita gente no Comando da PM por dentro do “ato ilegal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here