Bruno Covas estuda plano para tirar a cracolândia do centro de SP

 

THIAGO AMÂNCIOSÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – “Para onde vai o fluxo?”, diz uma série de cartazes espalhados pelas redondezas da cracolândia, no centro de SP, referindo-se à constante indefinição sobre a andança da massa de dependentes químicos que usam e vendem drogas a céu aberto no local.

A depender da vontade da gestão Bruno Covas (PSDB), o fluxo vai sair dali e se mudar para um local próximo à marginal e à rodoviária do Tietê.

Para atrai-lo ao novo endereço, a prefeitura iniciou no local a construção de uma nova tenda que oferece acolhimento, serviços de higiene, alimentação e pernoite aos dependentes. Essas tendas, chamadas de Atende, fazem parte do programa municipal de combate ao crack criado ainda sob João Doria (PSDB) e agora nas mãos de Covas.

Hoje, há três tendas a poucos quarteirões da cracolândia –a mais distante delas fica a 600 metros, ou oito minutos a pé. A prefeitura estuda fechar esses lugares, embora ainda não haja prazo para isso. Com o fechamento, tentará fazer o usuário buscar ajuda nesse local mais distante.

A nova tenda está sendo erguida num espaço dez vezes maior que o das atuais e estará num terreno na avenida Cruzeiro do Sul, diante do shopping D, a quase 3 km de onde se concentram hoje os dependentes químicos no centro. O usuário do atual fluxo que quiser ajuda terá de andar quase 40 minutos até a nova tenda.

A ideia do novo espaço e da expectativa de atrair para lá os dependentes está sendo discutida em reuniões que envolvem diferentes secretarias (Saúde, Assistência Social, Prefeituras Regionais, Governo e Guarda Civil).

O temor de quem trabalha hoje com os dependentes químicos, porém, é que as tendas do centro da cidade sejam fechadas sem que os usuários migrem para o novo local.

Os boatos de que tentarão retirar o fluxo de onde está hoje são constantes, o que gera insegurança, disse à Folha um agente da prefeitura que pede para não ser identificado. Segundo ele, uma mudança brusca quebraria o vínculo entre agentes sociais e de saúde com usuários de crack.

O fluxo, diz outra assistente social, estará onde estiver o crack, e não o atendimento.

A área do novo Atende, com entrada pela rua Porto Seguro, tem um muro alto. Quem passa de metrô entre as estações Portuguesa-Tietê e Armênia consegue ver um descampado amplo com dezenas de contêineres (muitos com um adesivo do Redenção, o nome do programa anticrack).

Segundo a prefeitura, esses contêineres eram parte da estrutura dos atuais Atendes que eram emprestados e, por contrato, devem ser devolvidos à empresa doadora (novos contêineres foram licitados e já fazem parte da estrutura dos Atendes do centro).

Como é comum na região, a área que receberá a nova unidade mistura casas antigas, comércios e grandes galpões. Em frente há um ferro-velho. Alguns moradores de rua já vivem por ali. Ao lado do terreno, está em obras um grande templo da Igreja Internacional da Graça de Deus.

A prefeitura aposta na estratégia de levar o fluxo para o local mesmo sem a certeza de qual resultado virá na prática. A administração municipal está sob pressão no centro da cidade, onde fica a cracolândia hoje, já que a região passa por profundas transformações sem que exista uma solução à vista para o drama dos dependentes espalhados pelas ruas.

Uma quadra inteira, por exemplo, foi demolida para dar lugar à nova sede do hospital Perola Byington.

Perto dali, o Governo de SP ergueu cinco prédios, com um total de 914 apartamentos, e pretende construir mais três edifícios com mais 288 unidades. Parte dos beneficiados, porém, resiste à vizinhança de viciados e ainda não se mudou para o local.

Além disso, uma obra da Eletropaulo para a ligação dos novos prédios à rede elétrica vai deixar fechada até o começo de novembro uma rua usada pelos usuários. Na região, são constantes os confrontos de dependentes com a Polícia Militar e a Guarda-Civil.

Desde os anos 1990 nas imediações da Luz, diferentes gestões tentaram resolver o problema da cracolândia, sem sucesso. Na gestão de Fernando Haddad (PT), por exemplo, ruas do centro eram dominadas pelo tráfico, numa espécie de QG do crime organizado onde se vendia droga.

No ano passado, uma megaoperação policial comandada pelo governo do estado desobstruiu essas vias e prendeu traficantes. A reboque, Doria lançou o programa o Redenção, focado na internação química dos dependentes, e anunciou o ‘fim’ daquela cracolândia –ela diminuiu, mas está longe de um fim. Com informções da Folhapress.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here